Vale da Trave Terra das Ervanárias

...assim se denominou pela relevância e pelo peso que assume o comércio das plantas para fins medicinais, cosméticos, alimentares e ornamentais, sendo esta designação a nossa imagem de marca territorial.

O pastoreio

Caprino e ovinos ainda pastam livremente pelos terrenos baldios.

Gruta do algar do Pena

O Centro de Interpretação Subterrâneo da gruta do algar Pena é um dos melhores locais para compreender os segredos das grutas. Esta cavidade está localizada nos terrenos baldios administrados por esta Assembleia de Compartes, tendo sido descoberta em 1983. É composta por um poço vertical de 35 metros (algar) que conduz a uma sala gigantesca de 105 mil metros cúbicos. A gestão desta gruta é da responsabilidade do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

Capela do Vale da Trave

Obras de beneficiação e requalificação da Capela do Vale da Trave apoiadas pelo Conselho Directivo.

Pinhal-manso da cruz de Valdemar

Plantado pelos Serviços Florestais do Antigo Regime, na década de 70 do século XX, este pinhal de pinheiro-manso, com cerca de 7 ha, é das poucas manchas florestais que não arderam na nossa serra que restam do período áureo dos Perímetros Florestais.

Pinhal do Baldio

Novas arborizações na Cabeça da Gorda, Vale das Pias, Covão Cego e Cabeço da Lapa, num total de 15 ha de Pinhal-manso.

Rede Viária Florestal

Entre a construção, alargamento, corte da vegetação das bermas e beneficiação da plataforma toda a rede viária da Assembleia de Compartes encontra-se operacional.

Lagoa do Vale da Trave

Projecto de requalificação da lagoa do Vale da Trave

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

BOAS FESTAS 2011


Dia Comunitário do Vale da Trave - 2011

Foi prometido e cumprido. No dia 18 de Dezembro de 2011, comemorou-se pelo 2.º ano consecutivo o Dia Comunitário dos lugares do Vale da Trave, numa iniciativa organizada pelo Conselho Directivo do Baldio do Vale da Trave. À semelhança do ano anterior também este dia foi maravilhoso e bem passado, com tempo soalheiro a condizer. A população confraternizou e partilhou num verdadeiro espírito comunitário sobre a égide da quadra natalícia.


Canja de galinha, sopa da pedra, migas, grelhados, doçaria e fruta foi a ementa que acalentou os cerca de 90 compartes presentes. Tudo muito bem confecionado e acompanhado com um vinho tinto do comparte Alfredo.

Quatro dezenas de doces, de várias qualidades, aguçaram o espírito dos mais gulosos. Uma graciosidade de um grupo de Valtravenses que, voluntariamente, confeccionaram e ofereceram os doces para este dia. Um agradecimento muito especial a todas as participantes na mostra de doçaria local.

Ao lanche, o chá e o café das nossas avós com filhoses trouxeram à memória outros tempos e outras vivências.

Do programa constou ainda a encenação da peça de teatro e a entrega de oferendas às crianças e aos jovens (entrega pelo Pai Natal e Mãe Natal) e aos compartes um bolo-rei.


Coube aos meninos da catequese, com o apoio da comunidade de pais e sobre orientação de Helena Caetano, a representação em leitura encenada e musicada da história denominada “Chegou a Vez do Presépio”, das autoras Ana Magalhães e da Isabel Alçada. Vinte e cinco minutos de puro divertimento e aplausos.

O Dia terminou com a iluminação natalícia da capela e da árvore de natal de oito metros.


Um bem-haja a todos os que colaboraram neste dia Comunitário do Vale da Trave.

A população dos lugares do Vale da Trave está de parabéns. O espírito comunitário está vivo e recomenda-se na conjuntura actual. Para o ano há mais.